02 junho, 2011

Lançamento em Santo André!

E é com imenso prazer que convido a todos para o segundo lançamento do álbum "Orixás - Do Orum ao Ayê"!

Agora em Santo André:
9 de julho de 2011
Livraria Saraiva no Shopping Grand Plaza
Avenida Industrial, 600 - Santo André - SP

Caso tenha perdido o primeiro lançamento, esta é sua segunda chance de conseguir o autógrafo dos autores (Alex Mir, Caio Majado e Omar Viñole), lembrando que levarei meu portfólio de quadrinhos para o público em geral.

Aliás, desculpem-me a ausencia no blog, acontece que todos os projetos e trabalhos que fiz até agora ainda não foram publicados e não recebi carta branca dos editores para o mostra-los, assim que estiver tudo acertado, aos poucos, vou fazendo o update! Prometo!

Até lá!

5 comentários:

Alex Genaro disse...

Cara, seu trabalho como sempre é muito bem feito, eu ainda não li o Orixás, mas já vou encomendando.

Grande abraço e sucesso.

Ilé-ọba Óbokún Àṣẹ Nàgó'Kọbi disse...

Bom dia Bom dia Alex

1 - O livro visualmente esta lindo, parabéns para a editora e profissionais pelo belo trabalho e pela qualidade da obra.

No entanto tecnicamente o livro comete erros gravíssimos, levando em conta a responsabilidade e seriedade do mesmo eu fiquei preocupado com o que foi publicado.

Note – Òrìsànlá ou Obàtálá foi o primeiro ser criado, assim conta os Ìtàn Yorùbá, sendo que Ọlọ́run, apensar de o chamarem de Olódúmarè ou Olodumarê, desconheço chamarem de Olodunmaré (dendo que o é, não seria correto na língua Yorùbá), e Olodun tbm não seria a origem desta divindade...

Mas o mais importante mesmo é que jamais foi dado o poder a Obàtálá dar vida a ser algum, este conceito é erradíssimo, pois cabe apenas a Olódúmarè, que reconhecido por toda a cultura Yorùbá, jamais concedeu o poder d e dar vida a ser algum nem do Òrun ou Àiyé, sendo que este sopro vem direto de Ọlọ́run, nem uma divindade tem o poder de animar um ser vivo ou divindade.

Alex Mir disse...

Olá! Você não sabe o quanto é importante para nós a opinião dos leitores, principalmente quando estão ligados diretamente à religião, por isso, já de antemão, agradecemos aos toques.

Ao iniciar o roteiro da obra, sabia da responsabilidade que tinha em mãos. Tenho estudado bastante sobre a mitologia africana, mas ainda me considero um leigo no assunto, pois o assunto é muito vasto.

Orixás - do orum ao ayê é uma adaptação de lendas. Apesar de ter pesquisado em livros (alguns com versões de lendas bem diferentes umas das outras), confesso que a maior dificuldade foi da criação dos orixás. Isso porque na época, infelizmente, não encontrei muitas referências sobre essa parte, o que dificultou tanto meu trabalho quanto o do Caio. Me baseei no que li e talvez não tenha sido a leitura ideal. Poderia ter ido mais a fundo.

Hoje tenho alguns contatos na religião, mas quando escrevi o roteiro, não tinha ninguém para me orientar. Não é desculpa. Com o que tinha em mãos, fui o mais fiel possível. Faltou realmente o conhecimento, a experiência/vivência da religião.

Agradeço novamente as orientações. Pode ter certeza que tudo o que fizemos foi com muito respeito e com muito cuidado e os próximos trabalhos já virão com maior maturidade e verossimilhança.

Grande abraço!!!

Anônimo disse...

Parabéns, parabéns, parabéns.
O projeto é lindo, o resultado deve ter ficado igualmente lindo. Parabéns pelo livro, parabéns pela Quanta. Você merece!

Carol disse...

Parabéns!!!!

Fiquei de boca aberta quando estava na livraria da vila e me deparei com esse tema em quadrinhos, sou amante dos quadrinhos e vivo procurando trabalhos nacionais, e achei ótima a idéia e o trabalho ficou muito bom!

Lendo os comentários acima, fico feliz na possibilidade de novos trabalhos como esses e a busca do registro dessa cultura ;)

Continuem estudando e escrevendo, terão muitos adeptos! PARABENS!